domingo, 21 de março de 2010

Boavista 2-4 Aliados Lordelo

Esta tarde o Boavista sofreu a sua 2ª derrota consecutiva.


Na primeira parte o Boavista esteve muito apático, e com poucas oportunidades de golo, o Aliados numa atitude defensiva esporadicamente procurava o contra-ataque através de lançamentos longos.
O resultado ao intervalo era 0-1, o Aliados chegou ao golo através de uma grande penalidade numa jogada de insistência.


A segunda-parte o jogo foi totalmente diferente, o Boavista praticamente entrou a marcar logo ao primeiro minuto através de Daniel que substitui Jorge Rodrigues na dupla de centrais.

O Boavista caiu em cima do Aliados e adivinhava-se o golo da vitória mas numa bola perdida após ataque boavisteiro surgiu um contra-ataque do Aliados que conclui em golo. Um balde de agua fria que abanou a equipa boavisteira que se viu ainda privado de Nuno Lopes que lesionou-se na jogada seguinte.


O Aliados chegou ao 1-3 e 1-4 através de contra-ataques com a ajuda da passividade boavisteira numa tarde infeliz de Jorge silva e Avelino.
Mesmo assim o Boavista não virou a cara a luta e com o apoio da claque que não desistiu de apoiar tentou atenuar a derrota. Criava oportunidades mas os atacantes boavisteiros não conseguiam concluir da melhor forma. O golo do 2-4 foi marcado por Fonseca através de grande penalidade após derrube sobre Paulo Campos,deste lance o defesa do aliados foi expulso.


Faltavam 2 minutos mais os descontos atribuídos (4 minutos), o Boavista continuava a desperdiçar oportunidades claras de golo sendo as mais flagrantes através de Diogo Leite e Pedrosa. O jogo chegou ao fim com o resultado inalterado, a equipa teve uma boa atitude mas hoje não foi feliz nos momentos cruciais do jogo.

terça-feira, 16 de março de 2010

O Rastilho

video

Faltavam cerca de 5 minutos...


Adeptos lousadenses reagem:
Caríssimos

"Faltavam cerca de 5 minutos para acabar o jogo quando os ânimos se incendiaram dentro de campo, nós (um grupo de 20 lousadenses) saímos fora do estádio e colocamo-nos à porta do estádio.."

Extraído do blogue do Lousada

A agressão ao Pedrosa...

domingo, 14 de março de 2010

Lousada 2-0 Boavista

Esta tarde o Boavista perdeu no reduto do Lousada. Um campo pequeno e sem condições para os adeptos visitantes.
Num jogo menos conseguido pela formação do Bessa que não conseguiu colocar em prática o bom futebol que vinha praticando. O Lousada a meio da 1º parte chegou ao golo, mas o Boavista não dava mostras de conseguir reagir ao golo sofrido. O ritmo do jogo era lento, e com poucas ou nenhumas oportunidades de golo. Já perto do intervalo, o Lousada chegou ao segundo golo após cobrança de livre directo numa jogada que ficou a ideia que a falta seria ao contrário.

Ao intervalo Vítor Paneira fez entrar Cadinha e Ribeiro para os lugares de Joca e André colocando a equipa mais ofensiva. Nos primeiros minutos da segunda parte o Boavista apareceu mais acutilante e criava algumas oportunidades de golo, mas as sucessivas interrupções de jogo, e o sucessivo anti-jogo fez que o ritmo do jogo baixa-se.


O jogo chegava ao seu termo e os jogadores do Lousada utilizavam entradas duras passíveis de amostragem de cartão vermelho, que originava mais tempo de paragem e a irritação de Vítor Paneira que foi expulso do banco após protestos.


Os jogadores do Lousada tentavam tirar de esforço dos jogadores do Boavista, mas a única coisa que conseguiram foi provocar a ira dos adeptos boavisteiros já irritados pela sucessivas perdas de tempo e pelas últimas entradas a bola por parte dos jogadores do Lousada.
O que provocou um autêntico tumulto, onde a policia GNR assistia pávida e serena. Neste aspecto mais pareciam meros jornalistas apenas a presenciar todo o desenrolar.


  
Não podemos deixar abater por este resultado, isto após os últimos resultados e exibições da equipa boavisteira.

Para a semana é para ganhar!

domingo, 7 de março de 2010

Boavista 2-1 Espinho

Vitória Justa

Hoje o Boavista venceu o Espinho por 2-1, obtendo assim a 4ª vitória consecutiva.
O Boavista novamente com uma estratégia de jogo cautelosa, fazendo circulação de bola esperava por uma brecha na defesa adversária.


Uma primeira parte com poucas oportunidades de golo, de registo apenas para uma jogada de génio de Pedrosa que depois de ultrapassar 3 jogadores remata com o pé esquerdo em arco passando a rasar o poste antes do golo inaugural do Boavista. O golo chegaria através do goleador de serviço Fonseca de cabeça.
O Boavista controlava o jogo, mas num contra-ataque rápido surgiu o empate do Espinho ao minuto 45". Um golo contra a corrente do jogo, mas aceitava-se pelo que as duas equipas fizeram na 1ª parte.

O Boavista efectuou uma substituição ao intervalo entrando Cadinha para o lugar de Joca.



Na segunda parte, o jogo foi totalmente diferente “para melhor” tendo o Boavista realizado uma das melhores exibições. Entrou com vontade de marcar, não deixou o Espinho ter a bola e não permitiu que a equipa do Espinho cria-se uma única oportunidade nos segundos 45m. Vítor Paneira foi alternando o esquema táctico no ataque Boavisteira deixando os defesas contrários cansados e confusos, alternava o passe longo de “Zé Carlos” com o futebol apoiado dos médios “Cadinha e João Dias”.
Cada vez mais um suplente decisivo Cadinha fazia jogar o meio campo lançando perigosos contra-ataques através de Nuno Lopes e Paulo Campos.
Numa das melhores jogados do encontro, tendo a bola num ataque rápido passado por diversos jogadores boavisteiros chegando a Paulo Campos que falha o golo. Adivinhava-se o golo boavisteiro o que veio acontecer por entremédio de Nuno Lopes de cabeça após mais uma boa jogada de entendimento entre Cadinha e Paulo Campo tendo o último feito o cruzamento para o golo.

Até ao final o Boavista geriu o resultado, nota para a lesão do defesa boavisteiro Zé Carlos que deixou o Boavista a jogar os descontos com 10 jogadores.
Hoje a massa associativa esteve em bom número, tendo sido possivelmente a melhor assistência da época criando um ambiente digno do clube.
Nota para a coreografia feita pelos Panteras Negras no topo sul mostrando mais uma vez que estamos bem vivos e com a velha máxima,
“BOAVISTA ATÉ MORRER”